A árvore

Esse é um daqueles contos que começam com Era uma vez…

…uma árvore que vivia num reino muito muito distante. Essa árvore tinha alguns poderes mágicos, mas nunca se permitia vivenciá-los completamente. Tinha flores que nunca desabrochavam e frutos que nunca se expunham.

Passou a vida aprendendo com outras árvores como entender a terra e o sol, como aproveitar a força da terra e quais elementos dessa força estavam disponíveis. Aprendeu que a terra estaria 24h por dia ali para ela, mas era uma terra frágil e muito castigada pelo sol, era uma terra sagrada, mas ela deveria tomar muito cuidado e não exigir muito dela já que tinha sempre que levar em conta sua fragilidade. Por outro lado, diziam que o sol estava lá no céu, muito longe. Que não estava interessado em estar presente. Diziam que o sol só pensava nele mesmo e sumia grande parte do tempo deixando a lua no seu lugar.

Assim a árvore criou um entendimento de que a terra era frágil e tinha muitas deficiências e o sol nunca estaria lá para ela. As duas forças mais importantes para seu desabrochar não eram fortes o suficiente. Suas raízes nunca se aprofundaram, já que acreditava que não poderia tomar os nutrientes da terra para não enfraquecê-la mais ainda. Foi crescendo como podia sem contar muito com a terra e se esforçando para se sustentar. Olhava para outras árvores e nunca entendia como elas podiam ter tanta firmeza, enquanto ela se sentia tão insegura naquele terreno. Sempre que podia, dava um pouquinho da sua força para a terra, na esperança de que a terra se tornasse mais firme e desejava protegê-la do sol que tanto a teria castigado.

Já com o sol, sua relação era muito complexa. Desejava todo momento o aparecimento deste, mas olhava para ele com desconfiança. Por tanto tempo entendeu que o sol não estaria lá, que não acreditava que poderia contar com o sol. Assim, mesmo quando o sol estava lá, não conseguia confiar ou contar com ele. Não se permitia absorver sua força. Tinha medo de expor seus frutos e flores com medo da desaprovação do sol, mas os escondia também do resto do mundo enquanto desejava secretamente que o sol aprovasse tudo aquilo que a árvore escondia.

Um dia o sol nasceu e falou com a árvore. Explicou que certos terrenos eram áridos por conta do desmatamento. Explicou que algumas plantas não cresciam porque não recebiam água ou eram plantadas em áreas sem luz. Explicou que ele tinha um ritmo e um ciclo e que não haveria vida se ele estivesse lá o tempo todo. Explicou como era seu ritmo para que a árvore entendesse que não era seu capricho desaparecer e aparecer. Falou também da terra, da dureza que a terra tinha em certas regiões. Contou que a terra deixava que o exterior influenciasse a sua qualidade. Contou muitas coisas para a árvore, suas versões sobre a vida e a terra.

A árvore foi ouvindo tudo aquilo durante horas. Enquanto ouvia o sol parecia que ia perdendo a estrutura. Percebeu que tentou existir negando o sol e acreditando na fraqueza da terra. Nunca se permitiu expressar e receber as forças que precisava para crescer. Naquele momento percebeu que se baseou em algo que não era real. Algo que era a perspectiva de outras árvores. Percebeu que sua história era contada pela metade, mas usou essa metade para se construir e tirar conclusões. Percebeu também que não apenas tinha que rever tudo aquilo que acreditava, mas como se posicionava frente a tudo. Então veio a conclusão inevitável… todas as suas deficiências de enraizamento e nutrição da terra, todas as dificuldades de absorver energia do sol vinham única e exclusivamente de como incorporou aquelas versões!

Qual versão seria a certa? E a partir daquele momento, como fazer? Muitas perguntas vieram como uma avalanche, mas em menos de um segundo se deu conta que tudo aquilo ainda era apenas uma história. Versões da história. Agora ela contava com uma versão mais completa, mas ainda assim eram versões. Então se deu conta que saber da versão mais completa a fazia feliz, mas que agora precisava parar com as versões e seguir a única e verdadeira história que apenas seu coração poderia contar e aceitar a força da terra e do sol sem questionar. Cumprir seu papel de árvore e ser uma árvore! Simples assim! Apenas assim!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s