Efeito Pica-Pau

Cansei de ouvir as pessoas dizendo que hoje as coisas estão muito chatas, que não pode nada, que tem muito mimimi, que antigamente piada era piada, que não da p entrar certas músicas ou certas coisas. Toda vez que ouço alguém dizer isso claramente chegamos em um padrão ou condicionamento que naquele momento ela não está disposta a abrir mão e tomar consciência, então é mais fácil criticar dizendo que é mimimi.

Se você perguntar sobre Chaves, Pica-Pau, Tom e Jerry, Coyote e o Papa Léguas (bibi) ou mesmo desenhos ligeiramente mais recentes, o que eles tinham em comum? Sem exceção o mais esperto ou com privilégios detonava o outro seja com agressão física, emocional ou desvalidando alguma característica considerada inferior. Ahh, era só um desenho… ok, então você tem pelo menos uma década de crianças que aprendeu a achar graça disso e tem enraizado o gatilho do bullying e da violência como princípio da graça.

Pegue os filmes, livros, seriados, novelas… Qual o teor da comédia? Diminuir algo ou alguém. Pegue os comediantes, qual o teor das piadas? Sim, concordo que algumas tragédias da vida diária são muito engraçadas se contadas da forma correta, mas a normalização da piada se enraizou no pejorativo, no ato de diminuir o outro, de inferiorizar e ridicularizar.

A escola, que tempo infernal. Ter que rir por ser desrepeitada para não ser mais ridicularizada. Bullying!

Não importa o nome que se use, a sociedade construiu a piada sobre a violência, mas com um sorriso no rosto as pessoas dizem “é só uma brincadeira”, culpabilizando o ofendido por não ter gostado. Não, não é apenas uma brincadeira, é a legitimação da falta de respeito que temos sobre as outras pessoas.

A falta de limites e respeito no trato com o outro inicia na infância onde as crianças não são consideradas seres com vontade e são desrespeitadas em seus limites o tempo inteiro. (VOCÊ JÁ FOI UMA CRIANÇA, importante lembrar). A exposição aos desenhos, gibis, histórias contadas, músicas etc, só vai reforçando a ideia da graça na violência e do mais esperto e privilegiado como alguém que pode impor essa violência.

Então chega um momento em que as pessoas começam a dizer basta! As pessoas começam a nomear as violências, começam a trazer a tona as coisas que estavam inconscientes ou no automático, mas precisa de coragem para olhar para as ações. Precisa de empenho para criar um novo padrão. Precisa de consciência e querer olhar para dentro. Precisa de coragem para ver as violência que validamos e achamos graça. Quantos acham graça em piadas racistas, preconceituosas, de cunho sexista, que ridicularizam? Sim, está enraizado. Crescemos com isso e precisamos querer mudar! Aceitar olhar! Respeitar o espaço alheio, o outro como um ser divino, respeitar as características, parar de dar ibope ou passar pano para as agressões. Não é porque uma música sempre foi tocada que deve continuar sendo tocada. Não é porque é contado com um sorriso no rosto que deve ser entendido como piada.

Não temos mais mimimi hoje, temos pessoas que não aceitam mais serem ofendidas.

Da próxima vez que escutar uma música, uma piada, assistir um desenho ou filme, preste atenção, preste atenção na forma como as pessoas se tratam como é o respeito, se tem alguém sendo ofendido, diminuído ainda que seja uma brincadeira… e da próxima vez que achar que algo é mimimi, para e pense qual é o padrão que você não quer olhar, porque incomoda perceber que você ainda se diverte com a violência, mas que percebendo isso pode começar a mudar…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s